sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Novo Ano

Fugir de clichês é minha resolução de ano novo.
Falar de desejos, objetivos, metas, reflexões e coisas do tipo é repetir baboseiras, reproduzir mediocridades. Prefiro falar do ano velho, aquele todo gasto, pesado de decepções, rasgado de angustias, mas, poderosamente carregado de aprendizado e alegrias.
ixi, lá vou eu, ao encontro do grande clichê.
Tá, vou tentar me desvencilhar dele.
Mas e o ano velho, heim?
Quanta luta, quanta conquista, quanta tentativa frustrada de usar o plural corretamente.
Resolução de ano novo nº2 : abolir os plural.
Bem, mas o ano velho foi bom, engraçadinho,sacaninha. Mas gostei, ta aí, gostei.
Para fechar o ano velho, a virada.
Quem raios, inventou esse ritual maldito de comemorar - com grande euforia - a virada do ano?
A gente se arruma toda, bebe – geralmente além da conta – e fogos e fogos, it’s over.
Coisa chataaam.
Mas, ficar em casa, dormindo ou fazendo qualquer outra coisa que normalmente faríamos,seria praticamente suicídio. Sim, suicídio. Final de Ano é coisa do demo, com certeza.
Aquela magiazinha, aquela esperançazinha vai se apossando, impregnando nossos espíritos e logo após a queima de fogos, TCHAM, tudo acaba junto com o ano.
Sabemos, mas sempre nos deixamos envolver por esses sentimentozinhos patéticozinhos.
Resolução de ano novo nº3: não- me -deixar -levar -pelo - espírito- natalino -emendado a -esperança -besta -de -novidade - do- ano- novo.
Resumão da virada: achamos que teria engarrafamento, mas nada de transito, com isso chegamos bem cedo, encontramos pessoas ricas vestidas iguais e eram muito ricas, elas ricas e nós Skol, a cerveja que desce redondo, nós quase bem e amigo passa mal, amigo passa mal e nós fugimos do povo eufórico que pode causar mais mal ao amiguinho, quase meia noite, pessoas ricas quase se misturam com as pessoas mais desprovidas, eu disse quase, todos estão absurdamente animados e gritam uhull, amiguinho olha zonzo para o céu colorido, finjo que uma faísca me atingiu, grito desesperada que estou cega, pessoas olham apavoradas e eu rio, freneticamente, pessoas que não conhecíamos nos faziam companhia, eram amigas do amiguinho, pessoas legais a primeira vista, até venderem nossa cerveja e se mandarem. Adeus Skol, Feliz Ano Novo.

4 comentários:

caixeiroviajante disse...

Pastor Cerafim says: druuuugas?? druuugas?




bem, fiquei em casa dormindo, e não morri nem me matei.
sou muito epiléptico, gosto de fazer quase tudo quanto é tipo de coisas. inclusive dormir. ;c


boas resoluções a serem alcaçnadas.
a minha é alcançar meu segundo milhão e comprar o Canadá! mua hua hua hua!

...Imara disse...

Taí , gostei!

Cliches da vida....Cliches de ano novo...
Ainda bem que se tem amigas fofas como vc pra compensar tudo.
;*

lumpenista disse...

i will never bother you
i will nover follow you

hahahahaha muito legal.
ricos e pobres, pobres e ricos não sei se passo ou se pacifico.(adpatação de vina).
Perante os altos todos são baixos.

E o fato de pessoas legais terem vendido sua skol, não fazem eles deixarem de ser legais.
*Ainda mais, são esperto, gatunos
*São féladaputas também
*mas ainda são legais =D

Letícia disse...

Elaia! Começou o ano inspirada, hein? Onde foi a virada? Beira Mar? Passei lá e me familiarizei tanto com sua narrativa heheh Se bem, que em todo lugar é sempre igual, ê clichês!
Ótimo texto! beijos florzinha!